Friday, December 29, 2006

Windows Vista RTM: Impressões

Nas últimas duas semanas tenho estado a usar o Windows Vista no meu portátil (Dell D820: dual core, 2.11ghz, 2gb ram, sata), e estou bastante satisfeito com a experiência até agora. Não tive quaisquer problemas com drivers em falta, nem incompatibilidades de maior: o Camtasia Studio 4 da TechSmith (só pode ser usado para captura, não para edição; já o SnagIt 8.2 funciona na perfeição, o Camtasia não deve demorar). O PerfectDisk 8 da Raxco já suporta Vista, bem como o TrueImage Home da Acronis ou o Microsoft Money 2007 e o Office 2007, obviamente. Outros que já testei sem ter problemas são o Skype, o FeedDemon, o CoreFTP, o Windows Live Writer e o Acrobat Reader 8. O Intellipoint (6.1) para o meu Wireless Laser Mouse 6000 faz um flicker quando uso o magnifier, acho que é este o único problema de drivers que tenho até agora (apesar de ser chato, porque usava muito o magnifier).

Em relação a ambientes de desenvolvimento, é sabido que o Visual Studio 2005 e algumas versões do Sql Server parecem ter pequenos problemas de compatibilidade. Para contornar isto, enquanto não for corrigido definitivamente, recomendo vivamente (aliás, mesmo com XP) que se desenvolva exclusivamente em Virtual Machines, quer com o Virtual PC (o beta do 2007 está disponível no Connect e tem funcionado bastante bem) quer com o Virtual Server 2005 R2. Não sei como se comporta o Vmware sobre Vista, mas suponho que já haja alguma versão a suportá-lo.

Em relação a aspecto gráfico, o Aero é um espectáculo! :-) Apesar de a placa gráfica não ser nada do outro mundo (NVidia Quadro nvs120), a imagem é muito agradável e rápida q.b. para a minha utilização, apesar de ser o item mais fraco do meu Vista Performance Index (o processador e disco estão acima dos 5, os gráficos pelo 3.5). No único jogo que tenho instalado, o Company of Heroes, o desempenho aumentou das 6fps no Xp Sp2 para 10fps no Vista, o que é interessante (sempre com os drivers mais recentes).

Outro aspecto que me agrada bastante é o novo "menu de Start". Em vez da habitual navegação em menus à procura da aplicação a lançar (que ainda é possível, mas de outra forma), o acesso às aplicações é baseado na pesquisa. Se quero lançar o Word escrevo "w" e carrego em return. Os primeiros resultados da pesquisa são sempre as aplicações, depois os favoritos, e finalmente os meus documentos. Muito conveniente, e mais rápido que o método tradicional.

Um aspecto a que ainda não me habituei é o novo Windows Explorer (porque é que não consigo remover dali o "Favourite Links"?), apesar de ter detalhes interessantes, como a caixa de pesquisa. A estruturação das pastas "built-in" mudou (por exemplo, "Documents and Settings" desapareceu), agora é simplesmente c:\Users\jota\ . Aqui existe uma estrutura de pastas com Favoritos, Imagens, Pesquisas, Contactos, Documentos, Desktop, Downloads. Não tenho nada contra isto, mas nunca recorri à estrutura de pastas sugerida pelo Windows para guardar as minhas coisas, e não é agora que vou começar :-) . Já os gadgets são algo que tem piada, e cada vez há mais na galeria. Acho estranho o facto de serem programados em Javascript, no entanto.

Estou à espera do meu USB Apacer Handy Steno para testar o ReadyBoost.

No geral, a minha impressão é bastante positiva, e estou satisfeito com a mudança. Recomendo!

Tuesday, December 26, 2006

BizTalk 2006 r2 e adaptador WCF

Talvez a maior novidade prevista para o BizTalk Server 2006 R2, que vai sair em meados de 2007, seja a integração com o Windows Communication Foundation (bom, isto para não falar do novo suporte para EDI e RFID).

Já tive oportunidade de fazer alguns testes, com a primeira CTP e o Beta1, mas o Stephen Thomas fez um vídeo de 13 minutos que exemplifica o processo. Disponível aqui.

Uma discussão que tem acontecido várias vezes tem a ver com o espaço do produto BizTalk num panorama tecnológico que agora inclui o WWF e o WCF. Estas plataformas vão funcionar em simbiose com o produto base, eventualmente substituindo alguns dos componentes nativos existentes hoje (wwf em vez de orchestration, wcf em vez de alguns dos adaptadores), mas o coração do produto é o motor pub/sub, que se mantém.

Tuesday, December 19, 2006

NewsGAtor's FeedDemon

Uma prenda de Natal da NewsGator: durante o mês de Dezembro, usando o código de promoção "NGHoliday", tem-se um desconto de Usd 10 no FeedDemon (fica a Usd 19,95). Troquei o SharpReader pelo FeedDemon 2.1, claramente superior, com o extra de incluir ainda o FeedStation que faz download e sincronização de podcasts.

Algumas das features que me agradam mais: tabbed browsing, watches (espécie de "blog virtual", construído com base em termos de pesquisa pré-especificados), news bin (posts favoritos), rank de blogs em que passo mais tempo, e o facto de usar pouca RAM (mesmo com 200+ subscrições).

Recomendo vivamente!

Thursday, December 7, 2006

BizTalk2006: Application, Promoted Properties and the Management console

BizTalk 2006 introduced the concept of Application, allowing an easier management of deployments, by grouping together related artifacts as "logical applications". This concept has a somehow imperfect implementation, however.

Imagine I create an Application where I place shared schemas that are to be used by a set of Applications. One of these shared schemas is a property schema.

I now create a second application, and try to create a messaging filter in a send port for example: the properties in the shared property property schema in the other application will not be visible in the available properties list.

There is a way around this, as this is only an interface limitation. You can either use the binding files, or just start up Visual Studio 2005, open the BizTalk Explorer pane and add the filters you want to the appropriate send ports. BizTalk Explorer knows nothing about the Application concept.

If you create the send ports in BizTalk Explorer, they will be placed in "BizTalk Application 1", and you can move them into your application using the Admin Console (select > Move to Application).

Maybe a future version of the product could include a concept such as "dependent application", to work around this nagging limitation.