Sunday, October 23, 2005

TechDays

Nos dias 8 a 10 de Novembro vai decorrer no Centro de Congressos de Lisboa o evento TechDays, organizado pela Microsoft, e que vai ser uma espécie de TechEd Português.

 

Vou estar neste evento a fazer duas apresentações. A primeira, a apresentar e demonstrar as novas funcionalidades do BizTalk 2006 face ao 2004. A versão 2006 é uma evolução face à anterior, apresentando ainda assim um conjunto muito interessante de novidades, tanto em aspectos operacionais (como sejam os "deployments") como em termos aplicacionais (como o routing de erros, o wizard de flat-file, e outras). Esta apresentação vai ser semelhante a sessões como a CTS304, CTS306 do TechEd, ou DAT314 do PDC.

 

A segunda apresentação vai focar-se nos desenvolvimentos da área de ferramentas de modelação DSL, uma área pela qual sinto muito interesse actualmente e que PODE vir a revolucionar a forma como actualmente se produz software. Tem tudo a ver com software factories, um tema que já abordei em alguns posts recentes. A apresentação vai ser semelhante a sessões como a ARC302 e  ARC411 do TechEd, e TLN311 do PDC.

 

A terminar: tenho ouvido algumas ocasionais queixas relativamente ao preço da inscrição neste evento... e deixem que vos diga. Por 75€, é de borla. :) Be There!

Tuesday, October 18, 2005

Software Factories: O Livro

Aqui há umas semanas atrás, enviei um post sobre Software Factories em que referi o livro do Jack Greenfield e Keith Short.


Comecei ontem a ler este livro, e pelas primeiras 50 páginas, estou a achar ser um dos melhores livros de tecnologia que li nos últimos tempos. Lembra-me os livros de Engenharia de Software, e além de se iniciar com uma explicação geral sobre o que é uma Software Factory (cada vez acho que Software Workbench é uma expressão melhor), perde algum tempo a explicar em que que falhou o que paradigma actual, assente no desenvolvimento Object Oriented


A argumentação está em volta da constatação de que o desenvolvimento de software, hoje, é no fundamental igual ao que era há 30 ou 40 anos atrás. Continua a ser feito "manualmente", por trabalhadores (craftsman) altamente especializados, com muitos projectos a serem mal sucedidos ou excederem os custos, etc. Coisas que a outras áreas de organizações não seriam admitidas, em termos de custos e resultados obtidos, são frequentes nas TI's.


A partir daqui, os autores propõem/especulam estarmos prestes a ter um "paradigm shift", uma alteração de modelo em que se vão aplicar técnicas da Industrialização à produção de software, no sentido de aumentar aspectos como a produtividade e previsibilidade. E por onde começar? por onde o Object Oriented falhou.


Um reparo que os autores fazem é que aquilo que advogam não é que nos tornemos "empregados fabris", mas antes que deixemos de ter de nos preocupar com as "menial tasks" que tantas vezes nos roubam horas, passando a ter à nossa disposição ferramentas e ambientes (aliás, e directamente do título do livro: "Patterns, Models, Frameworks and Tools") que permitam o salto pretendido.


Ainda vou no início, mas recomendo vivamente.


jota